Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Tema, Edição Nº 287 - Mar/Abr 2007

Bento Gonçalves e a Revolução de Outubro

por Revista «O Militante»

Bento Gonçalves, então secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores do Arsenal da Marinha, integrou a delegação de trabalhadores portugueses que, em Novembro de 1927, participou em Moscovo nas celebrações do 10.º aniversário da grande Revolução Socialista de Outubro. O Partido vivia então tempos difíceis. A poucos anos da sua fundação, quando procurava ainda os caminhos do enraizamento na classe operária, da consolidação orgânica e da maturidade ideológica, o PCP viu-se confrontado com o golpe militar fascista e a ilegalização. É nessas condições que Bento viaja para a URSS para transmitir ao povo soviético a solidariedade internacionalista dos trabalhadores portugueses e que, ele que não era ainda membro do Partido, se torna pouco tempo após o seu regresso um dos seus militantes mais destacados. Em 1929 era eleito secretário-geral do Partido e lançava-se com outros camaradas na reorganização que tornou finalmente o PCP num partido de novo tipo, com uma política de classe revolucionária com a base teórica do marxismo-leninismo.


Com a publicação da sua intervenção em Moscovo no Congresso dos Amigos da URSS (1) , no ano em que passam os 90 anos da Revolução Russa, O Militante pretende muito mais do que divulgar um texto quase desconhecido mas de grande significado histórico.

Pretende homenagear, 105 anos após o seu nascimento na pequena aldeia transmontana de Feães do Rio, a figura de um operário exemplar e de profundas convicções revolucionárias que entregou a vida à causa libertadora dos trabalhadores, deixando, apesar da sua curta existência, um profundíssimo sulco na história do nosso Partido. A sua morte no Campo de Concentração do Tarrafal (Setembro de 1942), quando tanto havia ainda a esperar do seu prestígio e capacidade de organizador leninista, constituiu um crime nefando do fascismo e uma grande perda para o proletariado português.

Pretende também sublinhar quanto há que confiar nos jovens e na audaciosa promoção e responsabilização de novos membros do Partido que, pela sua ligação às massas, pela sua firmeza de carácter e espírito de classe, pela sua combatividade e fome de conhecimento – «aprender, aprender, aprender sempre» – estão em condições de puxar o Partido para diante.

Na biografia do camarada Bento Gonçalves podemos encontrar sem dúvida um magnífico incentivo à audaciosa política de quadros preconizada pelo nosso Partido.



(1) Bento Gonçalves. Uma Vida. Um Combate, coordenação de José Enes Gonçalves, edição da Câmara Municipal de Montalegre, Outubro de 2000.   Intervenção de Bento Gonçalves