Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Edição Nº 317 - Mar/Abr 2012

Rúbrica: Internacional

O imperialismo e a crise mundial

por Jorge Cadima

O momento actual é de enormes perigos para a Humanidade. Os acontecimentos sucedem-se a ritmo vertiginoso. No curto espaço de 20 anos, a euforia da vitória do imperialismo sobre o campo socialista transformou-se numa crise do sistema capitalista de proporções históricas e os limites do sistema capitalista são hoje uma evidência difícil de negar. O recurso à lei da força e da guerra como prática corrente nas relações internacionais – a tradicional política da canhoneira – é de novo a norma. A estagnação ou crise aberta nos velhos centros imperialistas (EUA e Europa), e também no Japão, contrasta flagrantemente com a emergência de novas potências, como os BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). A incapacidade das velhas potências imperialistas para ultrapassar a sua profunda crise (evidenciada nos últimos três anos) faz ressurgir os mais reaccionários ímpetos agressivos. É clara a opção por uma autêntica guerra contra os seus próprios povos, visando destruir as conquistas sociais que a luta de classes havia imposto em décadas anteriores. E estas políticas são inseparáveis duma escalada autoritária e de cariz fascista (quaisquer que sejam as formas exteriores de que se revista) no plano interno.