Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Edição Nº 317 - Mar/Abr 2012

Rúbrica: Organização

Évora - Mais força para continuar a luta

por Rogério Silva

A Greve Geral de 24 de Novembro foi um momento singular da luta dos trabalhadores no distrito de Évora. A forte adesão registada foi a resposta, precisa e necessária, contra o culto da inevitabilidade, o condicionamento e a pressão que todos os dias milhares de trabalhadores sentem na pele quando da passagem pelo gradeamento da empresa, ou do local de trabalho. Das dificuldades se fizeram forças e das forças se construiu a pulso – em cada local de trabalho, em cada conversa, em cada gesto – a Greve Geral, não enquanto fim em si mesmo mas antes processo potenciador de tarefas e renovadas possibilidades na luta dos trabalhadores.

Lisboa - A luta, o movimento sindical e o Partido

por Luis Caixeiro

A fase final de 2011 foi um tempo exigente para o colectivo partidário no distrito de Lisboa. No espaço de 19 dias três acontecimentos exigiam grande atenção do Partido. A 5 de Novembro, a VII Assembleia da Organização Regional, a 11 e 12 de Novembro o X Congresso da União dos Sindicatos de Lisboa e a 24 do mesmo mês a Greve Geral. Estávamos então perante a oportunidade prática de experienciar um desafio central ao trabalho do Partido – organizar a nossa intervenção para simultaneamente responder às exigências da multiplicação e intensificação da luta de massas, ao reforço das organizações unitárias e ao reforço do Partido.

Setúbal - Mais fortes para continuar a luta!

por Hugo Garrido

Em Setúbal, a Greve Geral de 24 de Novembro de 2011 acompanhou a dinâmica nacional: uma fortíssima resposta dos trabalhadores à maior ofensiva do capital sobre os seus direitos desde os tempos do fascismo, «um combativo Não! ao Pacto de Agressão, numa jornada memorável em defesa dos direitos dos trabalhadores e de um Portugal desenvolvido e soberano», como o PCP afirmou logo no próprio dia.

Porto - Grande dia de luta

por Ana Valente

Como descrever a Greve Geral do dia 24 de Novembro de 2011, no Porto? Foi um ponto alto da luta dos trabalhadores e da população contra a política de direita e o pacto de agressão, subscrito pelo PS, PSD e CDS com a troika estrangeira, que ataca os direitos dos trabalhadores e do povo, empobrece o país e protege o grande capital económico e financeiro.