Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Rúbrica: Cultura

Edição Nº 312 - Mai/Jun 2011

O Partido e os intelectuais nos anos 40 - O caso Bento de Jesus Caraça

por Manuel Gusmão

A reorganização do PCP e os seus III e IV Congressos (o I e o II ilegais), realizados respectivamente em 1943 e 1946, marcam a história de Portugal nos anos 40.No prefácio (de 1997) ao Informe Político do Comité Central ao IV Congresso do PCP, Álvaro Cunhal escreve: «A grande maioria dos quadros de direcção que se formaram nos anos da reorganização vinha da classe operária e revelava-se e forjava-se na intervenção directa e destacada em lutas de massas.

Edição Nº 290 - Set/Out 2007

Dizer cem vezes a palavra «açúcar»

por Gisela Conceição

Questionar os conceitos, clarificá-los, resolvê-los na prática, no rigoroso sentido marxista desta fórmula, é um acto de cultura, de liberdade, de emancipação.                   
Convido-vos, leitores, para uma breve reflexão política em torno da violência lexical e semântica que procura manipular, subverter, rasurar as agudas contradições da realidade social.  

Edição Nº 290 - Set/Out 2007

Cultura e ideologia (*)

por Manuel Gusmão

Quando Marx, em O Capital, analisa o processo de trabalho, «antes de mais, independentemente de qualquer forma social determinada», mas já supondo uma forma que pertence exclusivamente ao homem, considera como momentos simples e abstractos desse processo «a actividade conforme o objectivo, ou o próprio trabalho, o seu objecto e o seu meio. Estes três momentos entram em relações de interdependência e o processo é basicamente o de uma múltipla transformação – o objecto de trabalho é transformado num outro objecto, o produto. O processo, repetindo-se, pode vir a transformar-se pela descoberta e incorporação de novos meios e instrumentos e, finalmente, o trabalhador torna-se em acto naquilo que apenas era em potência – «força de trabalho actuante, operário».

Edição Nº 289 - Jul/Ago 2007

Encontro Nacional do PCP sobre Cultura Democracia cultural, uma bandeira dos trabalhadores

por Filipe Diniz

O Encontro Nacional do PCP sobre Cultura, A Vertente Cultural da Democracia, Emancipação, Transformação, Liberdade, realizado no passado dia 26 de Maio no Anfiteatro da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Lisboa, constituiu uma muito importante iniciativa política do Partido. Talvez não seja exagerado considerá-lo mesmo como uma iniciativa de invulgar significado e consequências.

Edição Nº 285 - Nov/Dez 2006

Fernando Lopes-Graça, um mestre e um exemplo

por Filipe Diniz

Há, e haverá longamente para além do ano do centenário do seu nascimento, muito ainda para escrever, para estudar, para conhecer acerca da arte, da personalidade, do exemplar compromisso cívico e político de Fernando Lopes-Graça.
Entre os músicos, mais do que entre outros artistas, permanece viva a designação de «mestre» para as suas figuras mais destacadas e merecedoras de respeito. Em relação a Lopes-Graça essa palavra deve ser tomada literalmente a sério, e não apenas na referência ao grande artista, ao grande músico e criador musical.

Edição Nº 285 - Nov/Dez 2006

Fernando Lopes-Graça, um mestre e um exemplo

por Filipe Diniz

Há, e haverá longamente para além do ano do centenário do seu nascimento, muito ainda para escrever, para estudar, para conhecer acerca da arte, da personalidade, do exemplar compromisso cívico e político de Fernando Lopes-Graça.
Entre os músicos, mais do que entre outros artistas, permanece viva a designação de «mestre» para as suas figuras mais destacadas e merecedoras de respeito. Em relação a Lopes-Graça essa palavra deve ser tomada literalmente a sério, e não apenas na referência ao grande artista, ao grande músico e criador musical.