Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Organização, Edição Nº 354 - Mai/Jun 2018

Acção de reforço do Partido: urgência, persistência, confiança

por Revista «O Militante»

A situação internacional e a sua perigosa evolução, os elementos que sobressaem da evolução na Europa e do quadro da União Europeia, a situação nacional, com a sua complexidade, elementos contraditórios, incertezas e potencialidades, coloca a necessidade de uma forte intervenção na dinamização da luta de massas, no fortalecimento das organizações unitárias de massas, no trabalho político unitário, na intervenção e iniciativa política, na acção internacionalista e no reforço da organização do Partido.

Neste tempo em que o capitalismo evidencia a sua natureza exploradora, opressora, agressiva e predadora, com a promoção de insistentes operações ideológicas, a mentira, a agressão e a guerra, o vale tudo para concretizar os seus objectivos de sempre, neste tempo de resistência, perigos e potencialidades, de afirmação do caminho de uma sociedade nova livre da exploração do homem pelo homem, destaca-se ainda mais a importância e o papel do Partido, com a sua identidade comunista e uma sólida organização.

A Resolução do Comité Central de 20 e 21 de Janeiro sobre o reforço do Partido, por um PCP mais forte e mais influente, com os seus dez pontos sobre orientações prioritárias, aponta o caminho sobre: o trabalho de direcção, a responsabilização de quadros e a formação política e ideológica; a militância e o novo cartão de membro do Partido; o recrutamento e integração dos novos militantes; a organização e intervenção nas empresas e locais de trabalho; as organizações locais; o trabalho com camadas e sectores sociais específicos; a propaganda e a difusão da imprensa partidária; os meios próprios e a independência financeira; a realização de assembleias das organizações partidárias; a organização e os princípios de funcionamento, base da força do Partido.

Apontadas as orientações avançou a discussão nas organizações, envolvendo os organismos e os membros do Partido na sua concretização, com a avaliação da situação, a definição de objectivos e sua calendarização, a atribuição das tarefas. Realizaram-se já importantes assembleias de organizações partidárias. A discussão deve prosseguir sobre as orientações e, em particular, sobre as tarefas relativas à sua concretização.

Do conjunto de orientações que devem ser consideradas articuladamente, destacam-se no imediato aspectos que se repercutem de forma mais ampla no fortalecimento da organização partidária e que, por isso, devem merecer uma particular atenção.

O fortalecimento do trabalho de direcção, a responsabilização de quadros e a assumpção por mais camaradas de responsabilidades e tarefas regulares, são de uma grande importância para reforçar os organismos de direcção existentes e para criar novos organismos alargando a estruturação. Um maior número de camaradas com tarefas regulares, que é também essencial para aumentar a capacidade de intervenção do Partido. Isto implica que cada membro do Partido avalie e aumente a sua disponibilidade militante, ao mesmo tempo que, a partir da discussão colectiva dos organismos de direcção, se proceda ao levantamento de camaradas com vista à sua responsabilização e se promova o seu acompanhamento e formação. Em simultâneo, importa que se eleve a preparação política e ideológica dos quadros e militantes, o que passa por um programa de formação política e ideológica aos vários níveis do trabalho do Partido e por uma preocupação individual de cada militante.

O processo de entrega do novo cartão de membro do Partido, que já se iniciou, é de particular importância e pode ter um impacto relevante na elevação da militância e em outros aspectos do reforço do Partido. O novo cartão de membro do Partido significa a confirmação do compromisso como membro do Partido com tudo o que significa ser membro do Partido Comunista Português. Desde logo, um compromisso militante de acordo com a disponibilidade de cada um, o compromisso com o Programa e os Estatutos, incluindo os princípios de funcionamento indispensáveis à eficácia da intervenção do Partido e ao cumprimento do seu papel. Na entrega do novo cartão a cada militante, importa colocar aspectos como a elevação do valor da quota, tendo como referência 1% do rendimento mensal, precisar a forma do pagamento regular das quotas, assegurar o pagamento das que estejam em atraso, tratar da compra do Avante! e de O Militante, ver que tarefas cada camarada se disponibiliza a realizar. Aspecto importante é também a actualização dos dados, corrigindo e devolvendo a ficha que foi emitida com o cartão. Para assegurar com êxito este contacto com todos os membros do Partido é necessário organizar este trabalho, fazendo funcionar a estrutura existente e tomando medidas excepcionais, como a criação de grupos de trabalho, de equipas, e destacando camaradas para este trabalho, incluindo a tempo inteiro durante um certo período. O processo de entrega do novo cartão de membro do Partido pode ser um importante contributo para o reforço da organização. É preciso assegurar que assim seja.

A organização e intervenção nas empresas e locais de trabalho constitui uma prioridade central e dentro desta a acção de contacto com 5000 trabalhadores para lhes dar a conhecer as razões pelas quais devem aderir e reforçar o PCP.

Decorreu até final de Março, em cada organização, «a reflexão sobre a prioridade e os meios atribuídos a esta tarefa, tirar as respectivas conclusões e adoptar as medidas correspondentes, assegurando uma visão integrada do conjunto das exigências que são colocadas à actividade do Partido, de acordo com as decisões do Congresso e as sucessivas resoluções do Comité Central».

Há ainda organizações que não fizeram a discussão, há outras que o fizeram de forma geral e há aquelas que discutiram, decidiram tarefas e estão a concretizá-las. Importa completar esta discussão, determinando as tarefas de modo a alargar e aprofundar o importante trabalho que já se iniciou. Importa, entre outras matérias, fazer a avaliação das empresas prioritárias e destacar e responsabilizar mais quadros, designadamente funcionários, que assumam como tarefa principal o acompanhamento ou a criação de células de empresa e de outros organismos para a intervenção junto dos trabalhadores; criar novas células; recrutar novos militantes e integrá-los; definir planos de trabalho por empresa, conjugando a acção política, institucional, de propaganda e de difusão da imprensa partidária; assegurar a articulação do trabalho de reforço orgânico e do trabalho de propaganda com o estímulo à organização unitária dos trabalhadores, à sindicalização, à unidade e à luta. Estas são orientações importantes a concretizar e que implicam esforço, iniciativa, criatividade, persistência e um apertado controlo de execução. Destaca-se neste trabalho a acção já referida de contacto, durante o ano de 2018, com 5000 trabalhadores para lhes colocar as razões pelas quais devem aderir e reforçar o PCP.

Associado a este reforço do Partido está o reforço do funcionamento dos organismos de membros do Partido com tarefas no movimento sindical unitário e em outras organizações unitárias dos trabalhadores.

Impõe-se, assim, desenvolver este trabalho por um PCP mais forte e mais influente ao serviço dos trabalhadores, do povo e do País e da causa internacional da emancipação dos trabalhadores, agindo hoje para levar mais longe a defesa, reposição e conquista de direitos e assegurar a ruptura com a política de direita e a concretização duma alternativa patriótica e de esquerda, no caminho da democracia avançada com os valores de Abril no futuro de Portugal, do socialismo e do comunismo.