Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Organização, Edição Nº 347 - Mar/Abr 2017

2017: intervir e organizar

por Revista o Militante

O XX Congresso, grande êxito do Partido, ajuda na resposta concreta a importantes questões que se colocam no plano político e ideológico, dos princípios de funcionamento, da intervenção e da organização.

No seguimento do XX Congresso tem sido promovida a discussão sobre as suas orientações e decisões, dando expressão ao seu impacto na organização e na actividade do Partido. Foi editada a Resolução Política, que beneficiando da distribuição com o Avante! deve chegar ao conjunto dos quadros e militantes para a sua leitura e estudo.

A partir das orientações do XX Congresso relativas ao reforço do Partido é necessário prosseguir a análise e considerar medidas com maior profundidade e alcance.

Entretanto, associando a intervenção política em 2017 às tarefas de reforço do Partido, é necessário dinamizar a adopção de medidas imediatas.

Uma questão central que se reflecte em todo o trabalho do Partido é o reforço da capacidade de direcção e a responsabilização geral de quadros, incluindo a necessidade do reforço do núcleo de funcionários do Partido. Trabalho que deve ser assumido na resposta às tarefas deste ano e que envolve elevar a militância, responsabilizar muito mais quadros por tarefas concretas de carácter permanente. Trabalho que justifica subsidiar quadros a tempo inteiro, nomeadamente para assumir responsabilidades por empresas e locais de trabalho, na acção de contactos e no trabalho político, designadamente na preparação das eleições autárquicas.

A campanha de difusão do Avante! em curso destaca-se como importante prioridade pelo seu papel no trabalho do Partido e face ao silenciamento, manipulação e mentira que caracteriza a prática dos grandes meios de comunicação social.

É indispensável aumentar a atenção no plano do trabalho de direcção ao reforço do Partido nas empresas e locais de trabalho, aferindo os avanços quanto à constituição de novas células, ao reforço das existentes, à sua estrutura, funcionamento e intervenção e às medidas de quadros indispensáveis para a concretização desses avanços.

Do ponto de vista do conteúdo da acção importa garantir a focagem nos seus objectivos próprios de defesa dos interesses de classe dos trabalhadores no plano mais imediato e ao mesmo tempo garantir que as células e sectores de empresas assegurem o seu contributo no âmbito do trabalho geral do Partido, seja em tarefas como a preparação e realização da Festa do Avante, seja no trabalho de recolha de apoios à CDU para as eleições autárquicas e na criação de comissões de apoio.

Particular importância tem nos próximos tempos a ligação da luta reivindicativa, das várias linhas de trabalho do Partido e da CGTP-IN, à mobilização para a manifestação do 28 de Março e principalmente à mobilização organizada para as manifestações do 1.º Maio. Fazer do 1.º de Maio de 2017 uma expressão da acção reivindicativa dos trabalhadores de cada local de trabalho, empresa e sector, uma grande jornada de luta de valorização do trabalho e dos trabalhadores, impõe preparar a mobilização para o 1.º Maio como se prepara uma Greve Geral e, sendo essa uma tarefa de todo o Partido, coloca-se como prioridade da acção das estruturas do Partido com intervenção junto dos trabalhadores.

O recrutamento de novos militantes impõe-se como necessidade de rejuvenescimento, renovação e reforço da organização, seja com o apelo nas iniciativas do Partido, seja no trabalho de recrutamento orientado a partir de listagens e do respectivo controlo de execução. Não estando em curso uma campanha nacional de recrutamento com expressão publica, é necessário agir aos vários níveis, designadamente nas empresas e locais de trabalho e no plano local para um crescimento do número de recrutamentos. Tarefa de todos, aproveitando todo o conhecimento e todas as possibilidades de contacto, designadamente de camaradas dirigentes e delegados sindicais e membros de Comissões de Trabalhadores. Importa assegurar a integração dos novos militantes, definindo um organismo e atribuindo-lhes uma tarefa. É necessário prosseguir a integração desses novos militantes prioritariamente nas organizações de empresa e local de trabalho. Aspecto importante é também a realização de cursos e acções de formação política e ideológica, nomeadamente dirigidos aos novos militantes, alargando as experiências positivas em curso.

O trabalho junto da juventude e o apoio à JCP, elemento permanente do trabalho do Partido, exige no imediato medidas visando o êxito do 11.º Congresso da JCP que se realiza a 1 e 2 de Abril em Setúbal.

A partir do ponto de situação sobre o trabalho junto de outras camadas e sectores específicos, é necessário definir objectivos e medidas para este ano, nomeadamente sobre a acção com os reformados, micro, pequenos e médios empresários, pequenos e médios agricultores e na iniciativa no plano da cultura e dos intelectuais, aproveitando as potencialidades existentes.

O funcionamento das organizações de base tendo em vista os problemas dos trabalhadores e das populações, a acção de massas, integrando o trabalho de contacto para listas e apoiantes da CDU com vista às eleições autárquicas, são outra preocupação a responder.

A melhoria do trabalho de propaganda, fazendo a verificação das estruturas, meios e quadros, envolvendo várias formas, incluindo as comunicações electrónicas e a valorização e promoção da imprensa do Partido.

A independência financeira do Partido, questão decisiva, precisa de mais discussão com os quadros e militantes, combatendo as campanhas de mistificação e mentira sobre o património do Partido que visam criar uma falsa ideia sobre os reais meios existentes e afectar o prestígio do Partido. A efectiva garantia da independência financeira do Partido hoje e no futuro exige muito trabalho e uma atenção permanente e continuada. Impõe-se a contribuição individual, o alargamento da compreensão política, um estilo regular de recolha de fundos, um trabalho sistematizado para fora e um controlo eficaz para concretizar esse objectivo.

Aspecto central é o pagamento regular das quotas com a verificação da estrutura de responsáveis de cobrança de quotas e o seu alargamento para que abranja todos os militantes, na base, no máximo, de um camarada responsável pela cobrança por cada 20 membros do Partido.

É igualmente necessário trabalhar para a actualização do valor das quotas, tendo como referência 1% do rendimento mensal, e tomar medidas para que os novos militantes se insiram desde logo neste critério.

As campanhas de fundos, bem como a concretização do princípio de os eleitos não serem beneficiados nem prejudicados e do critério sobre as mesas de voto, são elementos importantes a tratar.

No trabalho geral do Partido e do seu reforço importa aproveitar as potencialidades das iniciativas. Das comemorações do 96.º aniversário do Partido, que contam com muitos milhares de participantes, e do contacto directo com centenas e centenas de milhares de pessoas e da participação de dezenas de milhares nas iniciativas no âmbito da CDU de preparação das eleições autárquicas. Ou, a ainda mais alargada, participação nos plenários, assembleias e jornadas de luta dos trabalhadores e das populações.

Realizações e iniciativas que comportam importantes potencialidades para o reforço e o alargamento da influência do Partido.

No mesmo sentido as comemorações do centenário da Revolução de Outubro, tendo um impacto e objectivos alargados, têm uma particular importância para a formação política e ideológica dos membros do Partido, para a afirmação do ideal e projecto comunista.