Proletários de todos os países: UNI-VOS! PCP - Reflexão e Prática

Organização, Edição Nº 348 - Mai/Jun 2017

Intervenção política, luta de massas e reforço da organização

por Revista «O Militante»

O tempo em que vivemos exige que preparemos o Partido e que tenhamos o Partido preparado para cumprir o seu papel em circunstâncias muito complexas. O que aí está é revelador do capitalismo e da sua natureza. O imperialismo prossegue a sua ofensiva com ameaças e agressões. Uma situação instável e incerta que implica uma posição de princípio decorrente da identidade do Partido, uma acção corajosa, forte e determinada.

Ao Partido, no quadro dos seus objectivos, estão colocadas importantes tarefas de solidariedade internacionalista, de desenvolvimento da luta de massas, de fortalecimento das organizações e movimentos de massas, de iniciativa e intervenção política.

No seguimento do XX Congresso, das comemorações do 96.º aniversário, das iniciativas sobre o 25 de Abril, de importantes lutas dos trabalhadores, com destaque para a grande jornada do 1.º de Maio, perspectiva-se um forte ritmo com o prosseguimento e intensificação das lutas de massas e a preparação das eleições autárquicas marcadas para 1 de Outubro, a que se associam, ao longo do ano, as comemorações do centenário da Revolução de Outubro.

A luta dos trabalhadores e do povo constitui direcção principal que se expressa na definição de reivindicações e no envolvimento dos trabalhadores, em torno da necessidade do emprego, dos salários, da redução e regulação dos horários, do combate à precariedade e da segurança no emprego, dos direitos, dos serviços públicos, do desenvolvimento, da soberania.

A batalha das eleições autárquicas tem como elemento essencial a decisão sobre a composição dos órgãos autárquicos com toda a importância que isso comporta para os concelhos e freguesias, para os trabalhadores e a população, e, ao mesmo tempo, constitui uma grande batalha política cujos resultados têm um importante significado nacional. A campanha eleitoral é inseparável do objectivo fulcral da mobilização para o voto na CDU, Coligação Democrática Unitária, PCP-PEV, mas como grande campanha política de massas é muito mais que isso.

As tarefas políticas exigem muito da organização e criam ao mesmo tempo condições para o reforço do Partido. Nesta interligação o reforço do Partido é potenciado, mas não se produz de geração espontânea, implica atenção, orientações e medidas.

Para que ao longo de 2017 o reforço do Partido seja possível é necessário detalhar os objectivos do reforço orgânico, aprofundar a sua calendarização e assegurar as medidas e o controlo de execução indispensáveis à sua concretização.

É necessário que o trabalho com a classe operária e todos os trabalhadores, a luta em defesa das suas reivindicações, a acção do Partido, se traduza num melhor conhecimento e no reforço da organização nas empresas e locais de trabalho com objectivos nominais de células a criar e reforçar e de medidas de quadros a tomar nesse sentido.

É necessário aproveitar o trabalho de contacto e envolvimento de milhares e milhares de pessoas sem filiação partidária nas listas e no apoio à CDU. A ligação às populações, conhecendo problemas, aspirações e reivindicações, intervindo para os resolver, dinamizando a luta, deve ser instituída como estilo de trabalho de forma mais alargada e integrada na criação, fortalecimento e dinamização das organizações de base.

É necessário o aproveitamento da disponibilidade militante que se revela nas lutas de massas e nas batalhas eleitorais, para a responsabilização por tarefas imediatas e principalmente por tarefas permanentes, assegurando a responsabilização de quadros e o reforço da capacidade de direcção.

Devem ser aproveitadas as condições que propiciam a luta de massas, a intervenção política e a acção eleitoral para o recrutamento de novos militantes e a sua integração nas organizações do Partido.

A finalização da acção de contacto com os membros do Partido e o esclarecimento de outras situações, bem como as iniciativas de formação política e ideológica, nomeadamente integradas nas comemorações do centenário da Revolução de Outubro, são também aspectos importantes a concretizar.

É necessário, tendo em conta o desenvolvimento de acções sectoriais, como as comemorações do 8 de Março, em particular a Manifestação Nacional de Mulheres promovida pelo MDM, ou as acções dos reformados e pensionistas, aprofundar a estruturação do trabalho junto destas camadas. Ideia que é válida para a acção junto de outras camadas, designadamente para o fortalecimento da JCP e da influência do Partido junto da juventude, no seguimento das lutas dos estudantes e da juventude trabalhadora e do 11.º Congresso da JCP.

É necessário no seguimento da Campanha Nacional de Divulgação do Avante!continuar a promover o alargamento do número de pessoas com o compromisso de compra semanal do Avante!, o aumento do número de camaradas que asseguram a distribuição, a constituição de novas ADE, a realização de bancas regulares e outras vendas de rua, procurando que assumam a periodicidade semanal e privilegiando a venda directa, a dinamização das assinaturas quando há dificuldade de garantir a distribuição.

É necessário garantir o reforço das estruturas de propaganda, assegurando uma ligação directa à população, a única que garante que chega a nossa análise, mensagem, soluções e projecto a cada pessoa, rompendo com a sistemática acção de silenciamento, desvalorização, manipulação e calúnia dos principais órgãos de comunicação ao serviço do grande capital.

É necessário dar particular atenção à angariação dos meios financeiros indispensáveis à independência financeira do Partido e às várias tarefas, incluindo as batalhas eleitorais. A independência financeira do Partido, em particular com o pagamento regular das quotizações, a existência de camaradas responsáveis pelo recebimento de quotas a todos os militantes e o aumento do seu valor, mas também com as campanhas de recolha de fundos, a aplicação do princípio dos eleitos não serem beneficiados nem prejudicados e sobre mesas de voto, é um elemento essencial.

É necessário trabalhar para garantir o êxito da Festa do Avante!, alargando a propaganda e a venda da Entrada Permanente (EP). Este ano, com as eleições autárquicas, fazendo também da participação naquele espaço magnífico de convívio, cultura, amizade e fraternidade, dos membros das listas de cada freguesia e municípios e de muitos dos que as apoiam, ponto de encontro e agregação, de onde se parte para a dinâmica final para as eleições. Aspecto que coloca desde já como tarefa em cada freguesia e município a participação na Festa do Avante! nos dias 1, 2 e 3 de Setembro e a organização da respectiva deslocação.

Tudo isto para a afirmação do ideal e projecto comunista.

Tudo isto para um PCP mais forte.

Um PCP mais forte para desenvolver a luta dos trabalhadores e das populações, nas várias acções em curso, e na sua intensificação e alargamento.

Um PCP mais forte para preparar as eleições e o êxito eleitoral.

Um PCP mais forte como força portadora da convergência e da agregação dos democratas e patriotas por um Portugal soberano e desenvolvido.

Um PCP mais forte para a luta que continua, pela defesa, reposição e conquista de direitos, pela alternativa patriótica e de esquerda, por uma democracia avançada com os valores de Abril no futuro de Portugal, pela paz e o progresso social, por uma sociedade nova, a sociedade socialista que o capitalismo, com a sua brutalidade exploradora, opressora e predadora, com a sua lógica de agressão e guerra coloca como exigência da actualidade e do futuro.